sábado, 6 de abril de 2013

Des. Vicente Malheiros completa 40 anos de Justiça do Trabalho

Aos 65 anos de idade, o magistrado, músico e mestre Vicente José Malheiros da Fonseca completa neste sábado (06/04) 40 anos de Justiça do Trabalho. O paraense, nascido em Santarém-PA, iniciou sua carreira na magistratura como Suplente de Juiz Presidente da Junta de Conciliação e Julgamento de Santarém, em 1973. Em 1975 foi aprovado em concurso público para Juiz do Trabalho Substituto e em 1983 submeteu-se a novo concurso para retorno à 8ª Região, em ambos obtendo o 1º lugar. É casado com Neide Teles Sirotheau da Fonseca, analista judiciário e diretora da Secretaria de Manutenção e Projetos do TRT8, e possui três filhos: Vicente Filho, Adriano e Lorena. “Nunca pensei em ser Magistrado. Meu maior sonho era ser maestro”, revela.

Vicente é o segundo filho de Rosilda e Wilson Fonseca (maestro Isoca). Porém, foi o primeiro a se formar em curso de nível superior, em 1971 (UFPA). Não teve a oportunidade de ter um estágio durante o período acadêmico, mas, com orgulho, revela que seu primeiro emprego como advogado aconteceu no escritório do mestre Otávio Mendonça, um dos mais conceituados na época.
O Desembargador lembra que trabalhou naquele escritório por quase dois anos (1972-1973), tempo suficiente para ter experiências e aprendizados que o acompanham até hoje. Antes, exerceu o magistério no curso secundário.
O magistrado recorda do dia em que recebeu um telefonema de Rider Nogueira de Brito, hoje ministro aposentado do TST, na época recém transferido de Santarém para Juiz Titular da 4ª Junta de Belém (atual Vara do Trabalho), a fim de transmitir-lhe o convite de Orlando Teixeira da Costa, Presidente do TRT8, para exercer o cargo de Suplente de Juiz Presidente da JCJ de Santarém, por nomeação do Presidente da República.
E assim iniciou sua carreira na magistratura, em sua cidade natal. Do advogado e mestre Otávio Mendonça recebeu um conselho: “Vicente, aceite este cargo. Você tem jeito para a magistratura e ainda vai ser Presidente daquele Tribunal (TRT 8) igual ao Orlando Costa!” Como se fosse uma profecia, após 25 anos de magistratura, o Desembargador tomou posse como Presidente do TRT8 em 1998, e mais uma vez o mestre Otávio Mendonça se fez presente nessa solenidade. Ao parabenizá-lo pela conquista, Mendonça deu-lhe um abraço e falou ao seu ouvido “Eu não lhe disse?”
O Desembargador, decano da Corte, foi Coordenador do Colégio de Presidentes e Corregedores dos TRTs do Brasil e escreveu vários artigos e livros. O livro o mais recente, “A Vida e a Obra de Wilson Fonseca (Maestro Isoca)”, fala da história de seu pai. É pianista e compôs mais de 1.000 músicas como o “Hino da Justiça do Trabalho” (1998), oficializado, em âmbito nacional, pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT). Exerceu o magistério na Universidade da Amazônia e idealizou a criação do Fundo de Garantia das Execuções Trabalhistas, incorporado à Emenda Constitucional nº 45/2004.
Hoje em dia, sente-se realizado por tudo que já fez. No entanto, sempre em busca de um ideal, como diz o Hino Justiça do Trabalho, Vicente é incansável em perseguir a missão primordial da Justiça do Trabalho, a paz social. “E tudo parece que foi ontem... Passou tão rápido... Deus seja sempre louvado!... E salve a Justiça do Trabalho”, declara o Desembargador.

Nenhum comentário: